Neste sábado, às 16h! Histórias para mudar o mundo e Sarau Pequenos Leitores

Amigos!

Sábado é dia de festa! Após o nosso Sarau – Pequenos Leitores, convidamos vocês para celebrar o 21 de junho junto com a Cia Mafagafos, às 16h, na Biblioteca Comunitária Barca dos Livros!

Venha se divertir com a gente nesse evento idealizado pela RIC (Red Internacional de Cuentacuentos).

Histórias para mudar o mundo
com Cia Mafagafos (Aline Maciel e Sig Schaitel)
Local: Barca dos Livros
Horário: 16h
Gratuito

Acesse:
cuentacuentos.eu
historiasparacambiarelmundo.blogspot.com.br

barcadoslivros.org
facebook.com/barcadoslivros

ciamafagafos.wordpress.com
facebook.com/ciamafagafos

HIstoriasParaMudarMundo_CiaMafagafos_Barca_Junho2014

 

 

02 de abril – Dia Internacional do Livro Infantil

Imagem

02 de abril - Dia Internacional do Livro Infantil

Cartaz da IBBY – International Board on Books for Young People.
O design do cartaz é da ilustradora Niamh Sharkey.

 

Carta para as crianças do mundo – Siobhán Parkinson

Os leitores sempre perguntam aos escritores como é que eles escrevem suas histórias — de onde surgem as ideias? Da minha imaginação, responde o escritor. Ah, sim, poderiam dizer os leitores. Mas onde está a sua imaginação, e do que ela é feita, e todo mundo tem uma?
Bem, diz o escritor, ela está na minha cabeça, é claro; e ela é feita de imagens e palavras e memórias e vestígios de outras histórias e palavras e fragmentos de coisas e melodias e pensamentos e rostos e monstros e formas e palavras e movimentos e palavras e ondas e arabescos e paisagens e palavras e perfumes e sentimentos e cores e rimas e pequenos cliques e sibilos e gostos e explosões de energia e enigmas e brisa e palavras. E tudo fica girando lá dentro e cantando e caleidoscopiando e flutuando e se moldando e sedimentando e coçando a cabeça. É claro que todo mundo tem uma imaginação: caso contrário, não poderíamos sonhar. Porém, nem todas as imaginações têm as mesmas coisas dentro delas.
A imaginação dos cozinheiros provavelmente só tem sabor dentro dela, e a imaginação dos artistas tem principalmente cores e formas. A imaginação dos escritores, no entanto, é quase cheia só de palavras. A imaginação dos leitores e ouvintes de histórias também é movida por palavras. A imaginação do escritor dá cambalhotas e rodopia e dá forma as ideias e sons e vo-
zes e personagens e eventos em uma história; e a história é feita só de palavras, batalhões de rabiscos manchados pelas páginas. Aí chega o leitor, e os rabiscos ganham vida. Eles ficam na página, ainda parecem batalhões de rabiscos, mas também estão brincando com a imaginação do leitor, e o leitor está agora moldando as palavras giratórias, de modo que a história agora está dentro de sua cabeça, como já esteve na cabeça do escritor. É por isso que o leitor é tão importante como o escritor para a história. Há apenas um escritor de cada história, mas há centenas ou milhares ou talvez até milhões de leitores, na língua nativa do escritor ou talvez até mesmo em muitas línguas traduzidas. Sem o escritor, a história nunca teria nascido, mas sem todos os milhares de leitores em todo o mundo, a história não viveria todas as vidas que poderia viver. Todo leitor de uma história tem algo em comum com todos os outros leitores dessa mesma história. Separadamente, e ainda de forma compartilhada, eles recriaram a história do escritor em suas próprias imaginações: um ato que é ao mesmo tempo público e privado, íntimo e coletivo, nacional e internacional. Esse ato pode muito bem ser aquele que os seres humanos fazem melhor.

Continuem lendo!