ENCONTRO COM O AUTOR: MARIO PRATA

Ele já fez de tudo. Como escritor, se envolveu em todos os setores que a atividade pode abordar: teatro, cinema, literatura, televisão. Para Mario Alberto Campos de Morais Prata, escrever é uma profissão séria como outra qualquer, mas não deixa de ser um grande prazer.

Até integrar por nove vezes a lista dos “mais vendidos” e, muitas vezes, liderá-la, Mario Prata passou por algumas provações. O caminho começou em Uberaba (Minas Gerais), onde nasceu. Ele viveu a infância e juventude em Lins (interior de São Paulo), e lá descobriu os prazeres da literatura. “Eu sempre gostei de escrever mas, naquela época – anos 50, 60 – não imaginava que isso pudesse ser uma profissão. Não tive uma formação para ser escritor, acho que fui educado para ser gerente do Banco do Brasil”.

Seguindo o destino, aos 20 anos, Mario Prata foi gerenciar uma agência em São Paulo e preparar-se para o “futuro garantido” que a função lhe ofereceria. Mas o amor pela escrita não foi abandonado. Desde os 14 anos, ele colaborou com a Gazeta de Lins, onde foi colunista social, redator e editor.

Enquanto estava no banco, cursava economia na Universidade de São Paulo (USP). A literatura já estava ficando de lado quando, em 1969, os estudantes ocuparam a faculdade. “Mas não sabíamos o que fazer lá dentro, aí fiquei numa máquina de escrever, criando meu primeiro livro – “O morto que morreu de rir” – que, aliás, é muito ruim, e o Centro Acadêmico publicou”. Empolgado, saía vendendo sua obra em bares e, nas negociações, foi conhecendo pessoas ligadas ao teatro. No ano seguinte, mais maduro, escreveu sua primeira peça, “Cordão Umbilical“, que fez sucesso imediato. “Se não tivesse dado certo, eu estaria hoje, provavelmente aposentado no Banco do Brasil ou seria Ministro da Fazenda do Fernando Henrique”, brinca, viajando com as possibilidades do destino.

Daí pra frente, Prata não sabe mais dar a receita. “Depois você vai juntando um pouco de talento com muita sorte e vai indo. As coisas foram dando certo até chegarem onde chegou, cada um tem um tipo de trajetória”, ensina.

A dele é gloriosa e plurilateral. Como jornalista, trabalhou em diversos jornais e revistas. Na literatura, não se restringiu a nenhuma faixa etária e lançou publicações para todas as idades. Escreveu também para cinema, teatro e televisão. Foi repórter, cronista, colaborador, resenhista de literatura, contista, articulista e pôde desfrutar do reconhecimento de seu trabalho ao receber vários prêmios.

Em seu currículo também está a função de assessor do Secretário da Cultura (Fernando Morais), no governo Orestes Quércia. “Apesar de ganhar pouco e trabalhar muito, foram dois anos em que pudemos fazer muita coisa pelo cinema, teatro e música”, afirma. Para conseguir verba para os projetos que preparavam, Mario Prata tinha uma técnica de persuasão. “Eu sabia quanto custava o metro quadrado do metrô, então eu falava: ‘governador, são apenas 10 centímetros de metrô’, ele nunca negou nada para nós, e os 10 cm, financiavam seis meses de teatro paulista”, justifica.

Já fora do governo, Prata foi para Portugal a convite de uma namorada. O relacionamento durou 16 dias, mas ele permaneceu no país por dois anos. “Logo me convidaram para fazer o projeto de um filme por oito meses. Quando acabou, pintou uma minissérie para a televisão. Três meses antes de completar dois anos, eu ainda tinha o contrato do apartamento e aproveitei esse tempo para escrever o livro “Schifaizfavoire, dicionário de português” (Editora Globo).

A partir de 92, Prata dedicou-se inteiramente aos romances e publicou um por ano. Em 93, lançou “James Lins, o playboy que não deu certo” (Placar Editorial); na seqüência, “Filho é bom, mas dura muito” (Maltese Editora); depois veio “Mas será o Benedito?” (Editora Globo); em 97, o sucesso de “O diário de um magro” (Editora Globo) e “100 crônicas” (Editora do Estadão); em 98, “Minhas vidas passadas (a limpo)” (Editora Globo); em 1999  estourou com “Minhas mulheres e meus homens” (editora Objetiva); em 2000 fez uma das mais importantes experiências em literatura e Intenet de que se tem notícia, escrevendo o romance policial “Os anjos de Badaró” (Editora Objetiva) inteiramente on-line; uma média de 4000 pessoas assistiam diariamente o autor escrevendo; em 2001 publica o livro de crônicas “Minhas tudo” (Editora Objetiva); em 2002 “Palmeiras, um caso de amor” (Editora Objetiva); e “Buscando o seu Mindinho” (Editora Objetiva); em 2004, “Diário de Magro II” (Editora Objetiva); 2006, “Paris, 98!” (Editora Objetiva). Em 2007 assinou contrato com a Editora Planeta, e lançou “Purgatório”. Em 2008, pela mesma Editora, “Cem Melhores Crônicas – que, na verdade são 129”. Ainda pela Planeta, “Sete de Paus”, em 2008.

Durante 11 anos (de 93 a 2004) foi cronista no Caderno2 do Estadão. Neste mesmo período escreveu crônicas para as semanais IstoÉ e Época.

Como roteirista de cinema ganhou 2 Kikitos no Festival de Gramado. Um com “Bésame Mucho”, em parceria com Francisco Ramalho Junior (1987) e outro com “O Testamento do Sr. Napumoceno”, filme luso-francês.

Entre literatura, teatro e cinema, já recebeu 18 prêmios nacionais e estrangeiros.

Fonte: Mario Prata – Site Autorizado em: www.marioprataonline.com.br/

O QUÊ:
Encontro com o Autor: Mário Prata

Conversa e autógrafos
Dia 15 (sábado) 20h – gratuito
Na Barca dos Livros – Porto de Leituras

Anúncios
Publicado em Nas águas da Literatura, Notícias por Barca dos Livros. Marque Link Permanente.

Sobre Barca dos Livros

A Barca dos Livros é uma biblioteca comunitária, mantida pela Sociedade Amantes da Leitura, com sede na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, que defende a importância da leitura para o desenvolvimento comunitário e individual. Desde o ano de 2009 é reconhecida como Ponto de Cultura. Tem como missão facilitar o acesso ao livro e à leitura através do atendimento diário e gratuito à comunidade, promovendo a formação de leitores e de mediadores de leitura. Funcionamento: Terça-feira a sábado, das 14h às 19h. Telefone: 48 3879.3208 Contribua com a Barca dos Livros! Banco do Brasil, Ag. 3185-2 – CC 13.058-3. CNPJ 06 022 478/0001-07. Beneficiário Sociedade Amantes da Leitura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s